O casal é proprietário do Sítio Agroecológico Tolú, localizado no município de Igarapé-Açu, na rota turística Belém-Bragança. O foco do empreendimento era a criação de galinhas e o plantio de hortaliças e frutos, entre eles o cacau. São, em média, 35 toneladas de alimentos por ano, que tem como principal clientela as feiras e mercados da região, além do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), abastecendo, assim, a merenda escolar.

Apesar do bom desempenho do negócio, eles resolveram ampliar a área de atuação passando a fabricar chocolates com o cacau já produzido no sítio. Luciana, que é natural da Bahia, lembra que sempre sonhou em trabalhar com cacauicultura. Com a formação em engenharia agronômica, mestrado em agronomia orgânica, além de planejamento e dedicação, a empresária conseguir concretizar esse projeto sem abrir mão da conservação da floresta.

“Aqui no Norte, é hábito queimar, explorar ao máximo e migrar de área. Nós defendemos a floresta em pé, não é interessante derrubar árvore para plantar grãos ou outra coisa. Cultivamos em sistemas agroflorestais, fazendo rodízio de culturas”, afirmou Luciana Athayde em entrevista ao Pequenas Empresas, Grandes Negócios.

A produção de chocolate começou em 2023, mas já vem conquistando espaço no mercado local, em exposições e feiras. Há planos para que a marca Tolú Chocolate Orgânico da Amazônia chegue ainda este ano a Portugal e à Bélgica, visando um público bastante exigente que valoriza tanto a produção orgânica quanto as características das barras feitas com alto teor de cacau e sem glúten nem lactose.

“No ano passado, faturamos R$ 300 mil. Agora, com o chocolate, o objetivo é, no mínimo, dobrar o valor”, pontua a empresária.

Animada, Luciana Athayde diz que os planos não param por aí. A chamada Casa do Chocolate foi recentemente inaugurada na propriedade, reunindo em um mesmo local o showroom da marca e um espaço para servir refeições com ingredientes do sítio, A ideia é que o local seja um ponto de atração para os que visitam a rota turística.

“Vamos investir em ecoturismo também. Até o fim do ano, devemos ter isso formatado. Uma das ideias é oferecer uma visita guiada para o turista conhecer toda a cadeia de produção do chocolate, do plantio à colheita, até a manufatura da barra”, adianta.

Fonte: Pará Terra boa