Grandes empresas precisarão provar sustentabilidade ou perderão espaço no mercado

Uma revolução no universo do cacau está prestes a desembarcar, trazendo consigo mudanças significativas para gigantes do setor. A partir de 30 de dezembro de 2024, a União Europeia (UE) determinará que grandes empresas, como Nestlé e Mars, apresentem evidências de que cada grão importado para o continente não está vinculado ao desmatamento em outras regiões.

A não comprovação resultará em uma proibição de venda, um golpe considerável, uma vez que a UE figura como o principal comprador de Gana e Costa do Marfim.

Cada carregamento deverá detalhar as coordenadas com informações de GPS das fazendas onde o cacau foi cultivado. Isso implica rastrear o cacau desde a vagem até o porto, um processo de alto custo, especialmente para empresas já impactadas pelos recordes de preços do cacau.

Apesar de algumas empresas já acompanharem os grãos por meio de programas voluntários de sustentabilidade, a nova legislação exige uma vigilância ainda mais rigorosa. Na Costa do Marfim, o desafio será ainda maior, uma vez que 30% da área plantada no país está situada em florestas protegidas. O país terá que repensar suas práticas para se adequar às novas exigências, buscando um equilíbrio entre a produção de cacau e a preservação ambiental.

As regras mais rígidas da UE têm o potencial de transformar não apenas a forma como o cacau é produzido, mas também como as empresas do setor operam. Com a crescente conscientização sobre as questões ambientais, as demandas por sustentabilidade tornam-se um ponto crucial para manter e expandir mercados. Empresas que já incorporam práticas sustentáveis podem ter uma vantagem competitiva, enquanto aquelas que ainda não adotaram medidas nessa direção enfrentarão desafios significativos.

O setor do cacau enfrenta uma encruzilhada, onde a pressão por práticas mais sustentáveis converge com a necessidade de manter relações comerciais vitais. O desafio está lançado, e as empresas agora precisam ajustar suas estratégias para atender às novas exigências da UE e, ao mesmo tempo, preservar a lucratividade e o acesso aos mercados europeus. A busca por um cacau sustentável torna-se, assim, um imperativo não apenas ambiental, mas também econômico.

Fonte:mercadodocacau

*Com informações bloomberg

Curtiu esse post? Compartilhe com os amigos!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *