SPM destaca projetos de autonomia econômica e inclusão socioprodutiva em seminário sobre chocolates da Cabruca

Ações da Secretaria das Mulheres do Estado (SPM) voltadas para a autonomia econômica e inclusão socioprodutiva das mulheres foram apresentadas, na terça-feira (28), no Seminário “Chocolates da Cabruca: Um Patrimônio da Bahia”, promovido pela Associação dos Produtores de Chocolate do Sul da Bahia (Chocosul), na Unifacs, em Salvador. A secretária das Mulheres, Elisangela Araújo, participou da abordagem sobre “Mulheres no Chocolate: Desafios e Conquistas”.

Elisangela destacou a priorização pelo Governo do Estado das políticas públicas para as mulheres do campo, das cidades, das águas e das florestas, com inúmeras iniciativas desenvolvidas pelas secretarias de governo, a partir do programa Elas à Frente, que é coordenado pela SPM. Nesse contexto, Elisangela destacou os editais que oportunizam formação e o empoderamento das mulheres, por meio de instituições diversas como associações e cooperativas.

A secretária falou sobre a necessidade de valorizar, visibilizar e reconhecer o potencial das mulheres que assumem um papel estratégico na cadeira produtiva do chocolate. “É preciso ter em mente o papel das mulheres na cadeia produtiva do cacau, que ainda inclui a polpa, os nibs, a manteiga e o chopp de cacau, além do aproveitamento da sibirra, que ainda não ocorre em larga escala. A SPM estimula cooperativas de mulheres, o fomento rural, as feiras orgânicas e ainda tem o Selo Lilás, que reconhece e certifica empresas que promovem a igualdade de gênero no ambiente de trabalho”, afirmou Elisangela, ao acrescentar que “é preciso ter um olhar atento para a seguridade social; para a garantia de direitos dessas mulheres; para prevenir e enfrentar as violências de gênero; e capacitá-las como produtoras e gestoras”.

Thiago Fernandes, diretor do Consórcio Cabruca, explicou que a Cabruca é um sistema agroflorestal, cuja base é a conservação da Mata Atlântica, visando a produção sustentável do cacau. “Todo esse conjunto biodiverso, nesse ambiente e microclima semelhantes aos da Amazônia, no Sul da Bahia, gera renda para diversas famílias e cidades. Construímos toda uma sociedade nessa tradição da Cabruca”, afirmou.

O seminário reuniu especialistas, produtores, gestores públicos e o público interessado em debater os desafios e oportunidades da cadeia produtiva do chocolate. As discussões abordaram desde aspectos econômicos e sociais até as estratégias para fortalecer e promover o chocolate de origem, beneficiando a economia e a cultura do território.

Fonte: diariobahia

Curtiu esse post? Compartilhe com os amigos!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *